Como Monchi e Sevilla FC usam dados em Scouting (observação de jogadores)

Monchi, diretor de futebol do Sevilla, fala conosco sobre perfis de scouting para possíveis alvos de transferência e também sobre o impacto dos dados nos processos de scouting.

Em 2000, depois que o Sevilla foi rebaixado da La Liga, Monchi foi nomeado diretor de futebol dos ‘Rojiblancos’. Ele recebeu dois objetivos do conselho: desenvolver o sistema de juvenis do clube e implementar uma vasta política de scouting dentro e fora da Espanha.

O primeiro movimento estratégico de Monchi foi profissionalizar os juniores e se concentrar mais no desenvolvimento do jogador, ao invés de puramente nos resultados. “Quando você trabalha com equipes mais jovens, sempre há essa divisão entre resultado e desenvolvimento”, disse Monchi. Sempre fui firme nisso. Sempre fui muito consistente em mostrar às pessoas que a coisa mais importante era o desenvolvimento do jogador. Os resultados vêm depois, porque quanto mais o jogador melhorar, melhores serão os resultados.”

Durante seu tempo com o Sevilla, Monchi descobriu futuras estrelas internacionais espanholas, como Sergio Ramos, Jesus Navas e Jose Antonio Reyes, enquanto também encontrou uma série de negócios lucrativos como o Adriano, Julio Baptista, Ivan Rakitic e Seydou Keita.

A teoria dos círculos concêntricos

Mas como Monchi executa sua estratégia de scouting? Um fator chave é sua "teoria dos círculos concêntricos". “Em termos de departamento de scouting, sempre tive uma obsessão”, disse Monchi. “Sempre pensei que quanto mais vezes pudéssemos observar um jogador, mais fácil seria tomar decisões. Então, trabalhamos e definimoso que chamo de "teoria dos círculos concêntricos". Círculos concêntricos, do menor ao maior e depois ao maior. Basicamente, estávamos construindo uma estrutura que nos permitiu dominar um determinado intervalo.”

Group 10Created with Sketch.
Created with Sketch.
Sempre fui muito consistente em mostrar às pessoas que a coisa mais importante era o desenvolvimento do jogador. Os resultados vêm depois, porque quanto mais o jogador melhorar, melhores serão os resultados.”
Monchi, diretor de futebol do Sevilla

Aplicando a teoria dos círculos concêntricos à criação do departamento de scouting do Sevilla, Monchi começou com um pequeno setor de países para cobrir, antes de expandir ainda mais. “Se houvesse três de nós no primeiro ano, por que cobriríamos o mundo inteiro quando era impossível?” explica Monchi. “Buscamos ser fortes em um determinado setor. Por exemplo, Espanha, Portugal e França para começar. Quando éramos cinco, tentamos somar Itália, Inglaterra e Bélgica. Fizemos isso, crescendo para o que somos hoje, dominando cerca de 30 a 35 ligas principais de forma exaustiva. Procuramos sempre cobrir e saber o que podíamos, para ter um bom conhecimento. Conhecimento é a base de todo o trabalho de scouting.”

Onde as contratações podem dar errado?

Quando as contratações dão errado? Quando você não consegue entender o que o gerente quer, as coisas começam a ficar ruins e o desempenho não é bom”, disse Monchi. “Há algo fundamental para mim. Sempre fui um Diretor Esportivo de ‘vestiário’, muito próximo dos jogadores, das pessoas. Mas às vezes esquecemos que eles são pessoas.

Os jogadores de futebol são pessoas e você tem que estar muito perto deles e tentar ajudá-los, conhecê-los e dar a eles o que precisam. Tudo isto faz parte da minha forma de trabalho: trabalhar muito, ter uma boa coordenação com o gerente e estar perto dos jogadores”.

Dados no Scouting

“Dados são essenciais, certo? São fundamentais”, disse Monchi. “Sempre tivemos dados, antes eram poucos dados e hoje são muitos. No ano de 2000, quando comecei, havia apenas uma forma de dados. Era um documento do Word onde o olheiro costumava colocar "É um bom jogador, etc", e esses eram os dados. Hoje em dia, graças a plataformas como Wyscout, temos plataformas onde podemos gerenciar nossos dados.”

Monchi agora criou um departamento de P&D no Sevilla, com matemáticos, físicos, engenheiros especializados e analistas empregados no clube andaluz. “Isso era impensável há cinco anos, inconcebível”, disse Monchi. “Mas esse é o futuro. Ou seja, a análise de dados e a implementação desta análise no processo de tomada de decisão é fundamental.”

O compromisso de usar plataformas digitais para análise de vídeo e dados no esporte agora é visto como vital para obter uma vantagem competitiva. Monchi e Sevilla concordam fortemente no poder do vídeo e dos dados no futebol. “Aqueles que ignoram os dados ficarão para trás”, explica Monchi. “No futuro, os clubes vão contratar jogadores, treinadores, matemáticos e físicos, engenheiros e analistas. Já estamos fazendo isso. Neste departamento, estamos trabalhando para criar nossa própria plataforma de análise de dados. Tem gente que não sabe sobre futebol, mas sabe sobre dados ”.

Implementação de vídeos e dados

Mas como os dados gerados pelo departamento de P&D do Sevilla se traduzem em percepções táticas reais? Para entender isso, é preciso entender a diferença entre dados objetivos e subjetivos.

“O que estamos tentando fazer é fazer a equivalência entre eles, combinar dois tipos de análise”, disse Monchi. “De um lado, os dados objetivos, e do outro, a análise subjetiva do vídeo. Estamos tentando trabalhar com as duas ferramentas, tentando alcançar a perfeição, que seria a análise subjetiva para corresponder totalmente à análise objetiva. Para fazer isso, estamos treinando nossos olheiros. O que estamos tentando fazer? Estamos tentando caracterizar, tipificar todas as posições em campo para então medi-las, possivelmente com a medida usada pelos analistas de vídeo, sendo a mesma usada pelos analistas de dados.”

Group 10Created with Sketch.
Created with Sketch.
“Los que dan la espalda a los dat“Aqueles que ignoram os dados ficarão para trás. No futuro, os clubes vão contratar jogadores, treinadores, matemáticos e físicos, engenheiros e analistas.”os van a la zaga”, explica Monchi.” En el futuro, los clubes firmarán jugadores, entrenadores, matemáticos y físicos, ingenieros y analistas.”
Monchi, diretor de futebol do Sevilla

Uma rápida comparação entre frutas nos permite entender o próximo nível de objetificar a análise de vídeo e dados. “O importante é medir as maçãs aqui e as maçãs ali”, disse Monchi. “Se medirmos bananas de um lado e maçãs do outro, as coisas ficarão complicadas. Estamos objetificando a análise de vídeo, que é a mais subjetiva. Em última análise, os dados são 100% objetivos, apenas olham para as porcentagens. Então, estamos fazendo um bom trabalho. Ainda estamos em uma fase intermediária, mas acho que conseguiremos ter uma plataforma que vai nos dar muito, vai nos poupar tempo, economizar dinheiro e reduzir riscos.”

Longo prazo X curto prazo

Usar a análise de dados corretamente pode fornecer percepções e métricas que são muito úteis para buscar jogadores e identificar alvos de transferência. O Sevilla tem um grande histórico de compra e desenvolvimento de talentos a preço de barganha. Monchi passa a explicar o poder de uma estratégia de longo prazo como esta.

“O longo prazo permite que você domine o curto prazo”, disse Monchi. “Deixe-me explicar. Quando você trabalha globalmente, você trabalha com todos as posições e com todos os perfis, como nós trabalhamos. Nosso trabalho não é ‘Do que precisamos este ano?’ Um lateral-direito, um meio-campista defensivo e um atacante. Vamos trabalhar nessas três posições.” Não, trabalhamos nas onze posições em campo e cada uma delas com perfis diferentes.

Group 10Created with Sketch.
Created with Sketch.
“De um lado, os dados objetivos, e do outro, a análise subjetiva do vídeo. Estamos tentando trabalhar com as duas ferramentas, tentando alcançar a perfeição, que seria a análise subjetiva para corresponder totalmente à análise objetiva.”
Monchi, diretor de futebol do Sevilla

Lateral-direito, lateral-esquerdo, mais ofensivo, mais defensivo. Então, esse conhecimento básico, essa informação, permite que você reaja no curto prazo. Por quê? Imagine que no próximo verão não achamos que precisaremos comprar um zagueiro, ok? Porque temos Diego Carlos, temos Koundé, temos Sergi Gómez, Gnagnon estará de volta, temos Kjaer. Não precisaremos contratar zagueiros, ok? Mas, de repente, alguém vem e paga a cláusula de rescisão de Koundé. Claro, se você não trabalhou globalmente, pode ficar sem zagueiros na mira. O trabalho de longo prazo permite que você atue no curto prazo.”

Monchi cita dois exemplos importantes para solidificar a estratégia de scouting de longo prazo do Sevilla. “Julien Escudé, nós o contratamos em 2005. Quando o contratamos ele não estava jogando, estava fora do time, mas já o conhecíamos”, explica Monchi. “Kanouté, quando o contratamos, ele não jogava no Tottenham, era reserva do Mido, não jogava, mas o conhecíamos de seus clubes anteriores. Portanto, a capacidade de reagir no curto prazo é dada pelo seu trabalho de longo prazo.”