Almería aposta em dados para trazê-los de volta a La Liga

A longo prazo, o UD Almería, da LaLiga 2, projeta-se como uma equipe que quer ser protagonista na principal divisão do futebol espanhol.

Neste artigo, o secretário técnico do Almería, João Gonçalves, explica como encaram este crescimento com tecnologias e metodologias como base da pirâmide.

O Almería tem se mostrado um clube ambicioso com a ideia de renovar sua estrutura anterior. Embora no início, Gonçalves descreve o clube como tendo uma estrutura muito básica: “Chegamos há dois anos numa situação complicada em que não havia muitas coisas definidas no clube. Não temos tantos fãs quanto clubes como o Espanyol e é por isso que tivemos que criar um modelo de negócios diferente, com foco nos jogadores jovens.”

Mesmo com tudo o que foi mencionado, o Almería já é o clube da LaLiga 2 com mais estrangeiros na equipe, e também o segundo time mais jovem, o que mostra o rumo que está tomando com esta nova gestão.

Para atingir o objetivo proposto, Gonçalves considera a análise como ponto principal: “Tecnologia não é uma despesa, é investimento. Quando chegamos, a estrutura era quase amadora, tínhamos apenas duas contas da Wyscout.

Queríamos desenvolver a equipe de scouting do clube e ainda estamos nesse processo. Com a Covid, essas ferramentas são ainda mais importantes devido às restrições de viagens.”

Group 10Created with Sketch.
Created with Sketch.
“Tecnologia não é uma despesa, é investimento.”
João Gonçalves - secretário técnico do UD Almería

Para destacar como uma equipe trabalha com Wyscout, pedimos a ele que nos falasse sobre o dia a dia dos olheiros e dos treinadores do Almería: “Ainda temos uma reunião semanal para atualizar os “Shadow Teams” (equipes personalizáveis, fictícias com jogadores da base de dados do Wyscout que o clube está observando),” disse Gonçalves.

“Temos uma “shadow team” por categoria e duas para nossa equipe sênior para dois cenários possíveis: Ascensão para a primeira divisão, ou se ficarmos na LaLiga 2.

Além disso, no Wyscout usamos o sistema de cores para indicar em que fase de observação cada jogador se encontra, pois avaliamos os jogadores em vários estágios.”

A mudança nos métodos de trabalho não foi a mesma para todos, com alguns sendo mais relutantes em se modernizar: “Em geral, o novo formato de trabalho foi bem recebido, mas, por exemplo, houve um olheiro que relutou em usar as novas metodologias”, disse Gonçalves.

“Pudemos ajudá-lo a entender a importância da criação de relatórios digitalmente via Scouting Area (um espaço para criar relatórios personalizados sobre jogadores e/ou times no Wyscout) e não no papel.”

Para obter um bom retorno do investimento nos jogadores, também é importante escolher os parâmetros a serem avaliados, e aqueles que são importantes para o clube continuar a crescer:

“Nosso mercado prioritário é a América do Sul pela facilidade de adaptação (ao idioma), como o Darwin Núñez (a venda mais cara da história de um clube do LaLiga 2), embora sempre haja exceções”, explicou Gonçalves.

“Quanto às estatísticas, temos acesso a todas essas informações, mas com o vídeo procuramos também analisar o comportamento do jogador em campo. Depois procuramos informações conversando com o jogador, conhecendo o seu ambiente”.

Os treinadores também fazem parte dessa mudança: “Definimos uma identidade de longo prazo e mesmo que haja mudança de treinador, a estrutura e o fluxo de trabalho são os mesmos,” disse Gonçalves.

“Nossa equipe deve jogar futebol com foco no ataque e ser dominante. Depois disso, o treinador está livre para implementar os sistemas táticos que preferir.”

Por fim, Gonçalves falou também sobre a ambição de longo prazo do clube: “O clube vai ser dono do seu estádio e isso vai nos dar mais possibilidades no futuro. Vamos também criar o Almeria Lab, que terá como objetivo desenvolver metodologias de trabalho e melhorar o desempenho dos jogadores, juntamente com um novo centro de treinamento que irá melhorar ainda mais tudo o que mencionei antes e nos permitir continuar a revelar jovens jogadores.

Para isso, a tecnologia será a base da pirâmide, passando pelo recrutamento, treinamento, novas metodologias e a ponta da pirâmide será a primeira equipe”.